Portal de Conferências da UnB, 2º Congresso UnB de Contabilidade e Governança - 2nd UnB Conference on Accounting and Governance

Tamanho da fonte: 
Utilização de Provisões para a Prática de Gerenciamento de Resultados em Empresas Brasileiras
Laurindo Panucci-Filho, Andréia Carpes Dani, Cleston Alexandre dos Santos, Roberto Carlos Klann

Última alteração: 2016-11-15

Resumo


Este estudo objetivou analisar se a constituição de (1) provisões para garantias, para (2) benefícios a empregados e para (3) riscos fiscais estão sendo utilizadas para provocar algum efeito de accruals específicos, que evidenciem a prática de Gerenciamento de Resultados (GR). A amostra foi composta por empresas listadas na BM&FBovespa com dados trimestrais de 2011 a 2015, de três formas: a primeira por empresas com provisão para garantias de produtos, mercadorias e serviços, contemplando 225 observações; uma segunda com empresas que possuem provisão para benefícios a empregados, perfazendo 321 observações; e por fim, as que tinham provisão para riscos fiscais, contendo 2.432 observações. Os dados foram analisados utilizando regressão de dados em painel, a partir dos modelos de McNichols e Wilson (1995), Martinez (2006) e Fasolin e Klann (2015). Os resultados apontam que as provisões para garantias são explicadas pelo endividamento e valor dos estoques; as provisão para benefícios a empregados são explicadas pelo endividamento, tamanho e pelo valor das obrigações sociais; e as provisões para riscos fiscais são explicadas pela variação do lucro líquido. Conclui-se que os modelos 1 e 2 apontam para práticas de GR, enquanto o modelo relativo à provisão para riscos fiscais mostrou fraco poder explicativo.


Palavras-chave


Gerenciamento de resultados; Accruals específicos; Provisões passivas.

Texto completo: PDF